Análise do instrumento urbano Cota de Solidariedade, instituído no Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (Lei nº16.050, de 31 de julho de 2014)

Autores

  • Lucas Almeida Oliveira dos Santos Estudante de graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), pesquisador do Observatório Piuí na mesma instituição

DOI:

https://doi.org/10.61681/revistasimetria.v1i6.36

Palavras-chave:

Cota Solidariedade, Política pública, Direito à cidade, Infraestrutura urbana, Habitação social

Resumo

Atualmente, em São Paulo, se pode considerar que existe um déficit habitacional de 700 mil residências (SCHREIBER, apud. LING, 2014) contando famílias sem acesso à habitação e que vivem em casas consideradas inadequadas; essa carência quantitativa e também qualitativa tem sido atacada por instrumentos urbanos como é o caso da Cota de Solidariedade que, além de estimular a produção de habitação social, tem o objetivo de mesclar classes sociais no mesmo bairro, tendo em vista a alocação de famílias de baixa renda próximo à infraestruturas de transporte, emprego e lazer. A aplicação do instrumento, contudo, ainda passa por questionamentos e, embora não seja possível dizer se é um fracasso ou sucesso, podemos aferir que não responde à magnitude do problema paulistano de falta de moradia digna para famílias de baixa renda por ter tido uma implementação efetiva bastante tímida desde 2014. Essa análise pretende entender o padrão de aplicação do instrumento e relacionar com a experiência de outras cidades ao redor do mundo trazendo uma base crítica para a próxima revisão do Plano Diretor Estratégico (PDE).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CERIONI, C. Transporte público tem mais influência nas mortes por covid-19 em SP. Exame,2020. Disponível em: https://exame.com/brasil/transporte-publico-tem-mais-influencia-nas--mortes-por-covid-19-em-sp/. Acesso em: 2 set. 2020.

DESPONDS, D. Effets paradoxaux de la loi Solidarité et renouvellement urbains (SRU) et profil desacquéreurs de biens immobiliers en Île-de-France. Espaces et sociétés, v. 1, n. 140-141, p. 37-58. 2010.

Dispinível em: https://www.cairn.info/revue-espaces-et-societes-2010-1-page-37.htm. Acesso em: 31mar. 2020.

DEWAN, S. Rent too High? Move to Singapore. The New York Times. It’s the Economy. Abr.

2014. Disponível em: https://www.nytimes.com/2014/05/04/magazine/rent-too-damn-high--move-to-singapore.html?_r=0. Acesso em: 31 mar. 2020.

ENCYCLOPÆDIA BRITANNICA. Île-de-France.Encyclopædia Britannica, inc. Agosto de 2019. Disponível em: https://www.britannica.com/place/Ile-de-France-region-France. Acesso em: 23 abr. 2020.

VEJA a evolução das mortes pela Covid-19 pelos distritos da capital paulista. Agora São Paulo,30 abr. 2020. Disponível em: https://agora.folha.uol.com.br/sao-paulo/2020/04/veja-a-evolucao--das-mortes-pela-covid-19-pelos-distritos-da-capital-paulista.shtml. Acesso em: 14 maio 2020.

LING, A. A cota não tão solidária do Plano Diretor de São Paulo. Portal Caos Planejado, 2014.

Disponível em:https://caosplanejado.com/a-cota-nao-tao-solidaria-do-plano-diretor-de-sao-paulo/. Acesso em: 31 abr. 2020SÃO PAULO (Município). Decreto 57.377 de 11 de outubro de 2016. [S. l.]: Legislação Municipal, 2016. Disponível em: http://leismunicipa.is/mcvhi. Acesso em: 23 abr. 2020.

SÃO PAULO (Município). Decreto 58.741 de 6 de maio de 2019. [S. l.]: Legislação Municipal,2019. Disponível em: http://leismunicipa.is/pxbqn. Acesso em: 23 abr. 2020.

SÃO PAULO (Município). Domicílios, População e Densidade Domiciliar nos Anos de Levantamento Censitário. São Paulo: PMSP, [2010]. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.

br/cidade/secretarias/upload/urbanismo/infocidade/htmls/7_domicilios_populacao_e_densidade_domicil_1991_10746.html. Acesso em: 23 abr. 2020.

SÃO PAULO (Município). Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014. Aprova a Política de Desenvolvimento Urbano e o Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo e revoga a Lei nº13.430/2002. São Paulo: Legislação Municipal, 2014.

SÃO PAULO (Município). Quadro 14 - Cadastro de valor de terreno para fins de OutorgaOnerosa. Anexo à Lei 16.050 de 31 de julho de 2014. São Paulo, 2014. Disponível em: https://agora.folha.uol.com.br/sao-paulo/2020/04/veja-a-evolucao-das-mortes-pela-covid-19-pelos-distritos-da-capital-paulista.shtml. Acesso em: 14 maio 2020.

REDE NOSSA SÃO PAULO. Mapa da Desigualdade. 2019. Disponível em: https://www.nossasaopaulo.org.br/wp-content/uploads/2019/11/Mapa_Desigualdade_2019_tabelas.pdf. Acessoem: 23 abr. 2020.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Habitação. Plano Municipal de Habitação deSão Paulo (Projeto de Lei nº 619/16). Disponível em: https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.

br/wp-content/uploads/2014/08/20161221_PMH_PL_bxa.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

SIGOLO, L. M.; SILVA, H. M. B. Oportunidades e limites para a produção de habitação socialno centro de São Paulo. São Paulo: Lincoln Institute of Land Policy, 2007. Disponível em: http://fau.usp.br/depprojeto/labhab/biblioteca/textos/silva_oportlimites_prodhabsocial.pd. Acesso em:28 abr. 2020.

Downloads

Publicado

15/12/2020

Como Citar

Santos, L. A. O. dos . (2020). Análise do instrumento urbano Cota de Solidariedade, instituído no Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (Lei nº16.050, de 31 de julho de 2014). Revista Simetria Da Escola Superior De Gestão E Contas Do TCMSP, 1(6), 174–190. https://doi.org/10.61681/revistasimetria.v1i6.36

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.