Desigualdade de gênero na pandemia

ODS 5 no cenário pós-covid-19

Autores

  • Tatiana Tucunduva Philippi Cortese Universidade Nove de Julho
  • Débora Sotto Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo
  • Marcelo Nery Universidade de São Paulo
  • Carlos Andrés Hernandez-Arriagada Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Roseli de Deus Lopes Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Desigualdade, Gênero, Mulher, Pandemia, Políticas públicas

Resumo

A pandemia de covid-19 acentuou os conflitos e dilemas decorrentes das desigualdades de gênero. O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS 5) busca “alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas” e, no atual contexto brasileiro, tal análise deve abarcar os desafios pré e pós-pandemia. Nesse sentido, o objetivo deste ensaio é promover reflexões acerca desses desafios, abrangendo a violência contra a mulher, a precarização do trabalho e renda, a invisibilização das mulheres pretas na sociedade, o incremento dos riscos para a população feminina encarcerada e a inserção das mulheres na cidade. Conclui-se que o cenário pede não apenas reflexões, mas também mudanças duradouras e profundas na estrutura da sociedade para um caminho mais resiliente e sustentável, conforme preconizado pela Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável.

Biografia do Autor

Tatiana Tucunduva Philippi Cortese, Universidade Nove de Julho

Doutora em Ciências (USP), professora do Programa de Pós-Graduação em Cidades Inteligentes e Sustentáveis da Uninove e pesquisadora colaboradora no IEA/USP.

Débora Sotto, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo

Doutora em Direito Urbanístico (PUC/SP), procuradora do município de São Paulo e pesquisadora colaboradora do Centro de Síntese USP Cidades Globais do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

Marcelo Nery, Universidade de São Paulo

Doutor em Sociologia (USP), coordenador de Transferência de Tecnologia do NEV/USP e pesquisador colaborador no IEA/USP.

Carlos Andrés Hernandez-Arriagada, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutor em Arquitetura e Urbanismo (Mackenzie), professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (Mackenzie.)

Roseli de Deus Lopes, Universidade de São Paulo

Doutora em Engenharia Elétrica (USP), professora livre-docente da POLI/USP e vice-diretora do IEA/USP.

Referências

ALMEIDA, S. L. De. O que é racismo estrutural?. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

AMANAJÁS, R.; KLUG, L. B. Direito à Cidade, cidades para todos e estrutura sociocultural urbana. It. COSTA, M. A. O.; THADEU, M. O.; FAVARÃO, C. B. O. A nova agenda urbana e o Brasil: insumos para sua construção e desafios a sua implementação. Brasília: Ipea, 2018. p.29-44.

BRASIL. Secretaria de Política para as Mulheres. Diretrizes nacionais feminicídio: investigar, processar e julgar com perspectiva de gênero as mortes violentas de mulheres. 2016. 126p.

BRASIL. Tribunal de Contas da União – TCU. Acórdão no 2766/2019. Plenário, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3lbXy8n. Acesso em: 12 ago. 2020.

CARDOSO, V.L.; RENNÓ, S.A. de. Iluminação e segurança pública: uma investigação sobre a relação entre design e criminalidade urbana pela perspectiva feminina. Estudos em design, v. 27, n. 3, 2019.

COLLINS, P. H. The black feminist thought. Londres: Routledge, 2000.

CORTINA, Monica Ovinski de Camargo. Mulheres e tráfico de drogas: aprisionamento e criminologia feminista. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 23, n. 3, pp. 761-778, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2015000300761&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 abr. 2021.

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. Levantamento nacional de informações penitenciárias. Período de julho a dezembro de 2019. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?=eyJrIjoiMmU4ODAwNTAtY2IyMS00OWJiLWE3ZTgtZGNjY2ZhNTYzZDliIiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9. Acesso em: 23 ago. 2020.

FERREIRA, R. A. Atenção às famílias das mulheres grávidas, lactantes e com Filhas/os até 12 anos incompletos ou com deficiência privadas de liberdade. Secretaria Nacional de Assistência Social, 2017. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/crianca_feliz/Documento%20mulheres%20encarceradas%20final.pdf. Acesso em: 24 ago. 2020.

FERREIRA, T. L. M.. Espaços para elas: o planejamento urbano-arquitetônico centrado em gênero e sua relação com a segurança da mulher. URBS: Revista de estudios urbanos y ciencias sociales, v. 9, n.1, pp. 93-114, 2019.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (FBSP). Violência doméstica durante a pandemia de covid-19. Nota técnica, 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-v3.pdf. Acesso em: 12 ago. 2020.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (FSBP). Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. São Paulo: FBSP, 2017. Disponível em: https://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/03/relatorio-pesquisa-vs4.pdf. Acesso em: set. 2019.

FOUCAULT, M. Security, territory, population: lectures at the Collège de France, 1977-1978. New York: Palgrave Macmillan. 2007.

G1. Donas de casa, autônomos e usuários do transporte público são as maiores vítimas do coronavírus na cidade de SP, aponta pesquisa. Globo, 10 ago. 2011. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/08/10/donas-de-casa-autonomos-e-usuarios-do-transporte-publico-sao-as-maiores-vitimas-do-coronavirus-na-cidade-de-sp-aponta-pesquisa.ghtml. Acesso em: 21 ago. 2020.

GAUVIN, L. et al. Gender gaps in urban mobility. Humanit Soc Sci Communications, v. 7, n. 11, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1057/s41599-020-0500-x. Acesso em: 21 ago. 2020.

GROSTEIN, M. D. Metrópole e expansão urbana: a persistência de processos “insustentáveis”. São Paulo em perspectiva, v. 15, n. 1, pp. 13-19, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas de gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. 2. ed. Brasília: IBGE, 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Perfil dos municípios brasileiros: pesquisa de informações básicas municipais 2018. Brasília: IBGE, 2019.

ITIKAWA, L. F. Mulheres na periferia do urbanismo: informalidade subordinada, autonomia desarticulada e resistência em Mumbai, São Paulo e Durban. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (ANPUR), v. 18, pp. 57-76, 2016.

ITIKAWA, L. Recalque espacial: mapas de violência contra a mulher no município de São Paulo. ResearchGate preprint. May 2020. DOI: 10.13140/RG.2.2.13399.70563.

KITCHENER, C. Women academics seem to be submitting fewer papers during coronavirus. ‘Never seen anything like it,’ says one editor: men are submitting up to 50 percent more than they usually would, The Lily, Apr. 24, 2020. Disponível em: https://www.thelily.com/women-academics-seem-to-be-submitting-fewer-papers-during-coronavirus-never-seen-anything-like-it-says-one-editor/. Acesso em: 23 ago. 2020.

LIBÓRIO, D. C. Elementos de direito urbanístico. Barueri: Editora Manole, 2003.

MELLO, D. C. Quem são as mulheres encarceradas. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Psicologia. Porto Alegre, 2008.

SANTOS, D. D. S. et al. Disproportionate impact of covid-19 among pregnant and postpartum black women in Brazil through structural racism lens. Clinical Infectious Diseases, 2020.

SANTOS, G. A. dos. Nem crime, nem castigo: o racismo na percepção do judiciário e das vítimas de atos de discriminação. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 62, pp. 184-207, 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=4056/405642641011. Acesso em: 9 ago. 2020.

SANTOS, T.; DE VITTO, R. C. P. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – Infopen Mulheres – Junho de 2014. DEPEN – Departamento Penitenciário Nacional. Ministério da Justiça, 2014.

SILVA JR, N. G. S. Mulheres encarceradas: visitas íntimas, gênero e dignidade sexual. Universidade Federal da Paraíba. In: Seminário Internacional de Pesquisa em Prisão, 3, 2017, Recife. Anais... (Grupo de Trabalho: GT09 – Gênero, sexualidade e prisão), 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/321867811. Acesso em: 21 ago. 2020.

SMDU. Mulheres e seus deslocamentos na cidade: uma análise da pesquisa Origem e Destino do Metrô. Informes Urbanos, São Paulo, n. 44, mar. 2020. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/Informes_Urbanos/44_IU_mobilidade_mulheres.pdf. Acesso em: 21 ago. 2020.

TAKEMOTO, M. L. et al. The tragedy of COVID-19 in Brazil: 124 maternal deaths and counting. International Journal of Gynecology & Obstetrics, 2020.

TAVARES, Rossana Brandão. ST 10 Práticas sociais de resistência na perspectiva de gênero contra indiferença à diferença: por um planejamento de possibilidades. Anais ENANPUR, v. 17, n. 1, 2017.

THANDARA, S. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Infopen Mulheres – 2a Edição. DEPEN – Departamento Penitenciário Nacional. Ministério da Justiça. 2017.

TONELLA, Celene. Políticas urbanas no Brasil: marcos legais, sujeitos e instituições. Soc. Estado, Brasília, v. 28, n. 1, pp. 29-52, abr. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922013000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 mar. 2021.

UNESCO. Unesco Science Report: towards 2030 – Executive Summary. 2015. Disponível em: https://en.unesco.org/unescosciencereport. Acesso em: 1 jul. 2020.

VILLAÇA, F. São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos avançados, v. 25, n. 71, pp. 37-58, 2011.

Downloads

Publicado

27/06/2022

Como Citar

Tucunduva Philippi Cortese, T., Sotto, D., Batista Nery, M., Hernandez-Arriagada, C. A., & Lopes, R. de D. (2022). Desigualdade de gênero na pandemia: ODS 5 no cenário pós-covid-19. Revista Simetria Do Tribunal De Contas Do Município De São Paulo, 1(9), 193–212. Recuperado de https://revista.tcm.sp.gov.br/simetria/article/view/118

Edição

Seção

Caderno Especial: Redução das desigualdades - ODS 10